Docere, delectare, movere

 

A íntima relação entre som e palavra que emerge na música europeia na transição do Quinhentos para o Seiscentos é o eixo central da nossa abordagem ao estudo e interpretação do repertório. A música colocava-se então ao serviço do texto, veiculando, ilustrando e potenciado o seu conteúdo poético e afectivo. A transmissão eficaz e eloquente desse conteúdo nas suas múltiplas leituras e funções – literal, teatral, histórica, simbólica, religiosa, política e filosófica – constitui a base para a construção de uma concepção interpretativa que persegue hoje o mesmo objectivo da música de então: divertir e comover o público através da palavra, do gesto e do som.

 

Todo o projecto assume pois um alcance estético e comunicativo alargado onde, fazendo uso de práticas interpretativas e instrumentos históricos, se procura criar um objecto artístico pertinente, significativo e impactante para o público de hoje.